Programa da Prefeitura promove convivência social saudável a crianças

Programa Família Acolhedora oportuniza lares provisórios para crianças em situação de vulnerabilidade – Fotos: Fagner Delgado

Assistentes sociais, servidores da Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social (SEMCAS) e famílias voluntárias reuniram-se na tarde de sexta-feira, 14, no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), no Manoel Julião, para celebrar os bons resultados do programa Família Acolhedora.

A Prefeitura de Rio Branco por meio da SEMCAS, em parceria com a 2ª Vara da Infância e da Juventude realiza o programa “Família Acolhedora” desde 2015. Para a secretária de Cidadania e Assistência Social, Dôra Araújo, este “é um lindo programa, onde a família voluntária, é capacitada, e através do envolvimento de amor e solidariedade oferta esse acolhimento a crianças que necessitam”.

Criado em 2013, o programa foi regulamentado pela Lei º 2.150 de 09 de dezembro de 2015 que dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento aos Direitos da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. Atualmente, o programa conta com quatros famílias em processo de capacitação para acolhimento de crianças de 0 a 6 anos e garantiu seis acolhimentos.

Secretária Dôra Araújo: este “é um lindo programa, onde a família voluntária, é capacitada, e através do envolvimento de amor e solidariedade oferta esse acolhimento a crianças que necessitam”

ACOLHIMENTO FAMILIAR

O Programa Família Acolhedora oportuniza lares provisórios para crianças em situação de vulnerabilidade. “Uma criança que está em situação de vulnerabilidade pode encontrar proteção no seio familiar, é então que nosso serviço faz a diferença ao permitir que famílias voluntárias possam, de forma temporária ofertar acolhimento a essa criança que necessita”, explicou Crispim Saraiva, coordenador do Serviço de Acolhimento Familiar.

Para o diretor da 2ª Vara da Infância e da Juventude, Antônio Capistana “o Programa é um sucesso”. O diretor falou às famílias sobre a força da união “vemos aqui famílias dispostas a fazer a diferença. Temos de nos aproximar mais em 2019 para vencer os desafios juntos e garantir direitos das crianças”.

Família do professor José de Arimateia foi pioneira no acolhimento familiar em Rio Branco

FAZENDO A DIFERENÇA

A família do professor José de Arimateia foi pioneira no acolhimento familiar em Rio Branco. Arimateia contou que a família, com seis integrantes, se voluntariou ao conhecer o programa, ainda em 2014. “Todos passamos por entrevistas, acompanhamento psicossocial e 2017 recebemos, por período de oito meses, duas crianças. É uma experiência única e transformadora”.

Assim como a família do José, pode se cadastrar no programa qualquer família com residência na cidade, seja casados, conviventes em união estável, solteiros, viúvos ou divorciados. A família cadastrada não se habilita a processo de adoção, mas sim de guarda provisória.

Para o diretor da 2ª Vara da Infância e da Juventude, Antônio Capistana “o Programa é um sucesso”

A família acolhedora cadastrada recebe capacitação e acompanhamento psicossocial, com profissionais de psicologia e assistência social. Basta procurar o Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS, localizado na Rua Tâmisa, 222-326, bairro Geraldo Fleming ou contatar o CREAS através do 3223-6768.

Assessoria PMRB