Postura antidemocrática

Extremamente lamentável a exclusão do candidato a prefeito de Rio Branco pela Rede Sustentabilidade, Carlos Gomes, do debate promovido na noite da última quinta-feira pela TV Acre. O jovem postulante ao cargo de chefe do Executivo municipal foi retirado dos estúdios da afiliada da Rede Globo no Estado minutos antes da transmissão do evento, após a emissora obter uma liminar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para vetar a participação de Gomes.

Além do constrangimento e do enorme prejuízo causado ao candidato, que deixou de ter a oportunidade de apresentar suas propostas para um público considerável, perdem os eleitores, cerceados do direito de acompanhar os quatro postulantes com igualdade de tempo para avaliar quem tem as melhores soluções para os problemas da capital, e, sobretudo, perde a democracia, que mais uma vez vê o poder de um grande veículo de comunicação prevalecer em detrimento de interesses da população.

Na verdade, em se tratando de Rede Globo, não é nenhuma surpresa tal postura antidemocrática. Basta lembrar, por exemplo, que a emissora foi uma das grandes apoiadoras do regime militar – um dos períodos mais obscuros da história do país. Esse episódio lamentável, nas vésperas das eleições em Rio Branco, precisa pelo menos servir para que os cidadãos abram o olho e entendam o poder de manipulação da chamada “grande imprensa”, que tem força, inclusive, para derrubar um regime democrático e até mesmo um presidente da República.