Para Fieac, aprovação da Reforma Trabalhista é um marco para o Brasil

 

“Este é o momento para o país criar um ambiente mais favorável aos negócios e ao investimento produtivo, o que se reverterá em mais empregos e renda, beneficiando toda a sociedade”, avalia José Adriano – Foto: Assessoria Fieac

A aprovação do projeto de lei da reforma trabalhista (PL 6787/16, do Poder Executivo) na última quinta-feira, no plenário da Câmara dos Deputados, vai ao encontro dos anseios do setor industrial acreano. O texto altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para prever, entre outras medidas, a prevalência do acordo sobre a lei, regras para o trabalho intermitente e o fim da contribuição sindical obrigatória e da ajuda do sindicato na rescisão trabalhista. A matéria será enviada ao Senado.

Na visão do presidente da Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac), José Adriano Ribeiro, a aprovação da reforma trabalhista é um marco para o Brasil. “Este é o momento para o país criar um ambiente mais favorável aos negócios e ao investimento produtivo, o que se reverterá em mais empregos e renda, beneficiando toda a sociedade”, avaliou.

O empresário afirmou que a nova legislação não fere nenhum direito do trabalhador. “O texto aprovado na Câmara dos Deputados traz segurança jurídica para as empresas e os trabalhadores. Foram mantidos: décimo terceiro, 30 dias de férias, aviso prévio, fundo de garantia, licença maternidade, adicional noturno. E foi criado um espaço de negociação para que as partes possam encontrar o que mais convém a elas”, garantiu.

José Adriano destacou a coragem dos parlamentares acreanos que votaram a favor do desenvolvimento. “Os deputados Alan Rick, Flaviano Melo e Jéssica entenderem a extrema necessidade de se modernizar uma legislação que vem desestimulando a geração de empregos no país, e não cederam às pressões daqueles que atuam apenas para desinformar a população”, disse o presidente da Fieac pedindo, ainda, que os senadores assumam agora a mesma responsabilidade.

Assessoria Fieac