Na ponta do lápis

Foto: Divulgação

Prefeitos do interior do Acre terão de adotar medidas drásticas de enxugamento da máquina pública a fim de se adequarem à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O primeiro a anunciar demissões em massa foi o emedebista Tanízio de Sá, que governa Manoel Urbano.

Risco

Nada menos que 14 cidades acreanas correm o risco de perder o direito de receber recursos provenientes de emendas parlamentares – avaliadas atualmente em um total de R$ 15 milhões.

Confirmado

A presidente da Associação dos Municípios do Acre (Amac), prefeita Marilete Vitorino (PSD), confirmou a informação a um site local.

Próximo ao teto

Dos 22 municípios acreanos, apenas oito cumprem o teto de gastos com pessoal estabelecido na LRF, em 54% da receita orçamentária. Ainda assim, seis deles beiram a ilegalidade.

Saiba mais

São eles: Assis Brasil (com despesas de 52,22% destinadas à folha de pagamento de pessoal); Brasileia (3,97%); Epitaciolândia (47,53%), Feijó (53,54%), Rio Branco (44,85%), Sena Madureira (51,46%), Tarauacá (51,61%) e Xapuri (46,89%).

Reverso

Na outra ponta constam Marechal Thaumaturgo – que apresenta a pior situação, com 68,19% da receita comprometida com salários – seguido de Rodrigues Alves (67%), Manoel Urbano (64,90%) e Porto Acre (63,76%).

Omissão

As cidades de Bujari, Jordão, Plácido de Castro e Santa Rosa do Purus não estregaram os dados solicitados pela Associação dos Municípios do Acre (Amac).

Prejuízo na conta

A prefeita de Tarauacá e presidente da Amac, Marilete Vitorino (PSD) prevê grandes prejuízos para os municípios cujos prefeitos não se adequarem à legislação fiscal.

Dilema

Ainda sobre esse mesmo assunto, cabe lembrar que em campanha, o governador eleito Gladson Cameli (PP) prometeu cortar despesas públicas na administração estadual, na contramão do desejo dos aliados em pendurar apaniguados no governo. Eis um grande dilema para o próximo governador dos acreanos.

No olho da rua

Foto: Reprodução TV Juruá

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PP), que no começo do mandato mandou aprovar na Câmara de Vereadores um decreto criando mais de 600 cargos em comissão, agora está tendo de esvaziar as secretarias.

Cada coisa, viu?

O mais grave é que ele estaria incluindo na lista dos demitidos até mesmo médicos contratados pelo município, que atendem pacientes nos postos de saúde da cidade.

Estranheza

Partindo do princípio de que a falta de médicos é um dos principais problemas enfrentados pelos gestores públicos, sobretudo no interior do Estado, é possível concluir que os critérios usados por Ilderlei são muito, mas muito estranhos.

Inferno astral

O prefeito de Senador Guiomard, André Maia (PSD), não vive os seus melhores dias. Depois da acusação de ter traído o senador Sérgio Petecão (PSD), em sua tentativa de reeleição, ele acaba de ser derrotado na eleição para a escolha da nova Mesa Diretora do parlamento municipal.

Previsão

Como minoria na Câmara, as adversidades de Maia deverão crescer na proporção em que também aumenta a rejeição dos eleitores do município à sua gestão.

Denúncia

Em maio deste ano, André Maia foi acusado de prática de enriquecimento ilícito e improbidade administrativa, em denúncia feita pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Todos contra um

E o detalhe mais interessante desse fato é que a denúncia contra o prefeito de Senador Guiomard partiu de servidores da prefeitura, justamente com políticos da oposição.

Em fase de extinção

Dos 35 partidos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 14 podem desaparecer do mapa. Isso por não terem atingido a chamada cláusula de desempenho, que estabelece o mínimo de 1,5% de votos para Câmara para ter acesso ao fundo partidário.

Castigo

Essas siglas vão perder, a partir de 2019, o direito de receber recursos do fundo. Também não terão direito ao tempo de rádio e TV no horário eleitoral gratuito.

Nome aos bois

Os atingidos pela cláusula de desempenho são: Rede, PCdoB, Patri, PHS, DC, PCB, PCO, PMB, PMN, PPL, PRP, PRTB, PSTU e PTC. A Rede, como sabe o eleitor, foi fundado pela ex-senadora acreana Marina Silva, pelo qual ela disputou as eleições presidenciais deste ano. E o PCdoB tem como representante no Estado a deputada federal eleita Perpétua Almeida e, no plano nacional, a deputada estadual Manuela D’Ávila, candidata a vice na chapa do presidenciável petista Fernando Hadad.