Interino

Foto: Edson Brunno

O governador Gladson Cameli (PP) está fora do Acre desde às 17 horas de ontem, quinta-feira, 10, a fim de cumprir parte da agenda em Rondônia, que se estende por toda esta sexta-feira, 11, e sábado, 12. O vice-governador Major Rocha assume pela primeira vez o comando do Estado até o próximo domingo, 13.

Agenda

Enquanto Gladson cumpre agenda oficial às 16 horas desta sexta, em uma audiência com o governador de Rondônia, Marcos Rocha (PSL), seu vice seguirá a agenda do governo na capital, que segundo ele consistirá, por esses dias, em reuniões políticas para fortalecer a pasta de Segurança Pública.

De grão em grão

De acordo com a assessoria do governo, Gladson se reunirá com os secretários de Agricultura de Rondônia e de Produção e Agronegócio do Acre. Em seguida participará da apresentação da síntese do encontro do dia entre os dois governos, durante a 1ª rodada de negócios para produção de grãos entre Acre e Rondônia.

Céu Azul

Já no sábado, o governador acreano e sua equipe seguirão para a fazenda do Grupo Céu Azul para visitar as instalações da Fazenda, onde anunciará a abertura do Acre para o agronegócio.

13º salário

Em entrevista ao programa Café com Notícias, da TV 5, na manhã da última quarta-feira, 9, Gladson Cameli garantiu que quitará o 13º salário dos servidores que receberam apenas metade do valor em dezembro do ano passado. Ele disse aguardar a liberação do orçamento estadual, o que acontece nos próximos dias, para dar início ao planejamento e à elaboração de um cronograma de quitação dos valores pendentes.

Determinação

De acordo com o governador, as secretarias de Fazenda e de Administração já foram orientadas a e encontrarem uma solução para o problema. “Garanto aos servidores que eles vão receber o restante do 13º. Quero quitar o quanto antes, porque parto do princípio de que a partir do momento em que você paga um servidor, esse dinheiro não fica com ele. Vai pra a fonte. Circula e movimenta nossa economia, gerando mais tributos para o Estado”, afirmou.

Fila de espera

O ex-governador Tião Viana (PT) deixou o mandato no dia 31 de dezembro sem depositar a segunda metade do 13º para 31 mil funcionários. Apenas 17 mil servidores da Educação e de empresas estatais tiveram o abono pago integralmente.

Despesas correntes

De acordo com o gestor recém-empossado, a soma dos valores do 13º, INSS patronal, juros do INSS e números da folha chega a R$ 66 milhões. Também há a intenção de quitar a dívida de R$ 6 milhões com o Pró-Saúde.

Levantamento

Os fornecedores terceirizados que não receberam também terão seus valores depositados, garantiu Cameli. A Procuradoria Geral do Estado (PGE) fará um levantamento jurídico e todas as empresas prestadoras de serviço que estiverem embasadas entrarão no cronograma.

Ressalva

Mas ainda que dê como o pagamento como certo, Cameli adianta que ele não será feito de uma só vez. “Não vou vender uma ilusão. Quero ter a cautela de pegar o planejamento antes. Não adianta eu falar que vou quitar em duas vezes e no final não conseguir. Por mim, pagaria tudo agora para ficar livre, porque penso ser justo o trabalhador receber o 13º”, disse.

Cortes nas despesas

Uma das saídas encontradas pelo governador eleito para reunir o valor devido foi a reforma administrativa, aprovada por unanimidade pela Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) em dezembro de 2018. Segundo Gladson, houve redução de 60% da máquina pública. E será a economia gerada por essa medida que vai proporcionar, também, a contratação de concursados.

Valorização dos que trabalham

“A reforma é a prova de que quero chamar os concursados. Reduzimos a estrutura da máquina para valorizar quem fez concurso. Não podemos desvalorizar quem trabalha e valorizar quem não trabalha”, disse ele.

Planejamento dos 100 dias

Cameli garantiu ainda que a questão dos concursados vai estar no planejamento dos primeiros 100 dias de governo, a ser apresentado nos próximos dias. Ele alega já ter cobrado dos secretários de Estado o plano a ser apresentado à sociedade acreana. Agora estou acompanhando as secretarias, visitando espaços e já vendo alguns resultados”, disse ele ao entrevistador Washington Aquino.

Crescimento

Sobre as metas do seu governo para alavancar a o desenvolvimento econômico do Acre, Cameli citou o agronegócio. E garantiu que não haverá desmatamento. “É só aproveitar o que está aberto, respeitando o Código Florestal. Isso gera emprego, aquece a economia e não dá prejuízos à natureza. Temos que abrir o estado ao desenvolvimento”, comentou.

Metas

Outras ações citadas por ele para aquecer a economia do Acre diz respeito à melhoria das condições dos ramais e rodovias estaduais, a privatização de empresas que possuem participação acionária do Estado, como a Dom Porquito, Acreaves, Natex, entre outras, e tolerância zero com a corrupção.

Otimismo

“Governar é isso. Todo dia vamos vencendo obstáculos. Peço paciência e tranquilidade. Vamos achar soluções para os problemas. Sou otimista. Nosso governo já deu certo”.

Paçoca com sal

A notícia segundo a qual o novo prefeito de Senador Guiomard, Gilson da Funerária, nomeou os maridos de duas vereadoras do município para o primeiro escalão do governo municipal tem dado o que falar na terra do amendoim.

Será?

Ontem, nas rodas de conversa pela cidade, não se falava em outra coisa. Já a versão oficial é que ambos têm experiência de sobra para exercer os cargos. Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, as escolhas se deram com base em ‘critérios técnicos’.