Haddad copia Bolsonaro para derrotá-lo em 2022

Alex Solnik

Tendo amealhado milhões de seguidores no Twitter e no Facebook durante a campanha presidencial, Fernando Haddad decidiu manter esse ativo e continuar em campanha. Ele trabalha para ser presidente em 2022, é o que dá a entender.

Seus movimentos não contam com a solidariedade e nem mesmo a aprovação da cúpula do PT. Pode-se mesmo dizer que estão trilhando caminhos opostos: enquanto Gleisi Hoffmann vai à posse de Maduro, ele se aproxima cada vez mais da centro-esquerda europeia e norte-americana. Foge da extrema-esquerda, com a qual Gleisi flerta abertamente.

Ou seja: Haddad resolveu, na forma, usar as armas do seu adversário. Começar a campanha quatro anos antes, mesmo sem aquiescência do partido e duelar nas redes sociais, que foi o terreno no qual foram decididas as eleições de 2018.

As linhas de oposição ao atual governo adotadas pela cúpula do PT e por Haddad também são diametralmente opostas.

Gleisi e Paulo Pimenta preferem uma postura sisuda, aguerrida, “séria”, na qual não cabem sorrisos. A tensão é permanente. Está tudo ruim e vai ficar pior.

Haddad, ao contrário, aposta na ironia e no bom humor. Chama o presidente de “Bozo”. Provoca. Mais irrita que fustiga. Tira o cara do sério.

Jornalista

Fonte: www.brasil247.com