Encontro oficial

Foto: Alexandre Noronha

As equipes de transição do atual governo Tião Viana e do governador eleito Gladson Cameli se reuniram pela primeira vez ontem, 6, na sede do Acreprevidência, no Centro de Rio Branco.

Composição

A equipe do atual governo é composta por gestores das secretarias de Planejamento e Fazenda, da Procuradoria Geral do Estado e da Controladoria Geral do Estado.

Dados

À equipe do governador eleito Gladson Cameli (PP) foram repassados dados sobre taxa de crescimento acumulado do Produto Interno Bruto (PIB), redução do desmatamento, evolução do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) e da participação da administração pública no total de empregos, entre outros.

Previsão de encerramento

“Esse primeiro encontro é a visão geral do governo, de como ele está configurado hoje na gestão Tião Viana. O trabalho vai seguir dentro da normalidade e pretendemos terminá-lo no início de dezembro. A ideia é que tudo transcorra da melhor forma para a população do Acre, que vai ser a grande beneficiada”, disse a chefe da Casa Civil, Márcia Regina.

Serviços essenciais

Segundo Márcia Regina, algumas atividades de governo estão encerradas ou em processo de diminuição. Essa antecipação acontece para que a atual gestão possa melhor concluir este segundo mandato do governador Tião Viana. Já as atividades essenciais de Estado, como educação, saúde e segurança pública, por exemplo, não sofrerão descontinuidade, ressaltou a chefe do Gabinete Civil.

Extraoficiais

De acordo com o futuro chefe da Casa Civil, o advogado José Ribamar, antes do início da transição já houve coleta extraoficial de dados. “Agora, nós vamos esperar, por parte da gestão atual, o repasse oficial desses números para que nos manifestemos sobre eles”, disse Ribamar, que evitou falar sobre data para anúncio de secretários do primeiro governo não petista em 20 anos.

Encontro cordial

O governador Tião Viana e seu sucessor, Gladson Cameli, se reuniram no gabinete do primeiro no dia 18 de outubro. O encontro se deu sob um clima de cordialidade e contou com a participação de assessores de ambos.

Em Brasília

Divulgação

A deputada federal Jessica Sales (MDB) protagonizou, pelo Acre, o evento de entrega de dez ônibus realizados ontem, 6, no Palácio do Planalto, na presença do presidente da República Michel Temer, do ministro do Desenvolvimento Social Alberto Beltrame e da coordenadora da Amac em Brasília, Regina Maia, que representou os municípios contemplados pela parlamentar emedebista.

Beneficiados

Os veículos adaptados servirão para a assistência aos idosos e deficientes físicos nos municípios de Sena Madureira, Tarauacá, Feijó, Brasileia, Manoel Urbano, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Rodrigues Alves, Cruzeiro do Sul e Porto Walter.

Finalidade

Segundo informações da assessoria de imprensa da parlamentar do MDB, os veículos são equipados e adaptados com elevador especial para cadeirantes e têm capacidade para 30 passageiros. Serão utilizados preferencialmente por pessoas idosas ou com deficiência para se deslocarem aos locais onde são ofertados serviços de saúde, tais como hospitais, clínicas de reabilitação e laboratórios, bem como possibilitar que participem de atividades promovidas pelos centros e entidades assistenciais dos municípios.

Celeuma

Rompido politicamente com Vagner Sales, pai da deputada Jessica, o prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PP), noticiou em sua fanpage o recebimento do ônibus, mas escondeu que ele fora destinado ao município pela deputada federal do MDB.

Cada coisa!

Ao invés de dar o crédito a Jessica Sales, Ilderlei fez propaganda para o deputado Alan Rick (DEM), como se ele fosse o autor da conquista.

Juntos e misturados

O Partido Popular Socialista (PPS), a Rede Sustentabilidade e o Partido Verde (PV) negociam fusão entre as legendas. PV e PPS cumpriram a cláusula de barreira e a Rede não conseguiu atingir os votos necessários para superá-la.

Entendimentos

As fundações dos três partidos já realizaram reuniões conjuntas sobre a fusão e o cronograma para a sua efetivação ainda este ano. As legendas formaram grupos conjuntos de trabalho e começaram a mapear a situação nos Estados para traçar um plano definitivo.

Plantel

Um bloco ou uma fusão entre PPS, PV e Rede resultaria de imediato em uma bancada de oito senadores (cinco eleitos pela Rede, dois pelo PPS, mais o senador Reguffe, atualmente sem partido) e 13 deputados federais (oito eleitos pelo PPS, quatro pelo PV e uma pela Rede).

Instinto de sobrevivência

O acordo orgânico em curso entre os três partidos indica um quadro de reorganização partidária, depois da adoção da cláusula de barreira. Outros partidos, que não atingiram o percentual mínimo exigido pela legislação eleitoral em vigor, operam fusão ou incorporação em legendas maiores, a exemplo do PCdoB e PPL.