Datafolha: Bolsonaro tem 56%, e Haddad 44%; diferença cai 6 pontos

Foto: Reprodução

A distância entre os dois candidatos à Presidência diminuiu, segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira. Jair Bolsonaro (PSL) tem 56% dos votos válidos, enquanto Fernando Haddad (PT) aparece com 44%. No levantamento anterior, eles tinham 59% e 41%. Assim, a diferença caiu seis pontos: de 18 para 12.

Os dois movimentos — tanto a queda de Bolsonaro como a subida de Haddad — foram acima da margem de erro, que é de dois pontos para mais ou para menos. No primeiro levantamento do segundo turno, divulgado pelo Datafolha no dia 10 de outubro, a distância entre os postulantes era de 16 pontos.

Haddad ganhou mais votos na região Norte, onde cresceu sete pontos, e entre os mais ricos, com renda acima de dez salários mínimos. Nessa faixa, Haddad avançou oito pontos percentuais, mas ainda segue distante do rival: Bolsonaro tem 61% dos votos nessa parcela do eleitorado, contra 32% do concorrente, considerando os votos totais.

Para Marcos Paulino, diretor geral do Datafolha, são sinais de que parte do eleitorado do PT que migrou para Bolsonaro esteja fazendo o movimento de volta. Ele destaca que a faixa de dez salários mínimos, apesar de englobar a parcela dos mais ricos, também representa a parte mais alta dos que ascenderam à nova classe média nos últimos anos.

— Parece haver um movimento de retorno ao PT. Há uma franja nesse eleitorado do Bolsonaro que saiu do PT. Ele capturou muito o público cativo do PSDB, mas conseguiu no final do primeiro turno e no início do segundo turno também parcelas de eleitores típicos do PT. Esses podem estar voltando diante dos acontecimentos na última semana — afirma.

O pesquisador se refere a declarações polêmicas que tiveram repercussão na imagem de Bolsonaro nos últimos dias. O mais recente deles foi a divulgação de um vídeo em que o deputado federal reeleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável, afirma que, para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF), bastavam “um cabo e um soldado”. Jair Bolsonaro pediu desculpas pela declaração do filho.

— O que mais chamou atenção foram os discursos, as falas mais autoritárias que surgiram, tanto no Bolsonaro na paulista, quanto do Eduardo Bolsonaro, no vídeo que viralizou. Isso coincidiu com o tom mais agressivo da campanha do Haddad falando justamente desse tema, do autoritarismo — avalia Paulino.

Fatos novos, ele destaca, podem acirrar a disputa na reta final, principalmente por causa do número de indecisos. O Datafolha mostrou que 14% dos eleitores não tem candidato — votam branco, nulo ou não sabem em quem votar. Essa é a maior taxa de “sem candidato” desde a redemocratização, em 1989.

O cientista político Fernando Abruscio, professor da FGV-SP, também vê espaço para mudanças de cenário, embora frise que Bolsonaro continua franco favorito.

— O que explica o resultado são as trapalhadas dos bolsonaristas nos últimos dias. A história do WhatsApp (investigações sobre suposto uso de uma rede de disseminação de fake news), a frase do filho do Bolsonaro sobre o STF, o discurso de domingo do Bolsonaro foi muito violento…Tudo isso pode afastar parte dos eleitores. Foram mais os erros do Bolsonaro do que grande mudança na campanha do Haddad, que vem devagar — afirma.

Ele destaca ainda o efeito das eleições estaduais sobre a corrida presidencial.

— Os três candidatos que mais representam o Bolsonaro (nos estados) têm escorregado. Se eles escorregarem muito, isso pode favorecer o Haddad. Se eu fosse o Bolsonaro, ligava para os três e diria: “façam o feijão com arroz” (no debate na TV). Nesse momento, ele deveria se aproximar dos três para conversar com eles para que eles baixem um pouco a bola — afirma.

TAXA DE REJEIÇÃO

A pesquisa Datafolha mostrou ainda que a rejeição a ambos os candidatos se manteve alta, mas houve movimentos em direções opostas. A taxa de eleitores que não votariam de jeito nenhum em Bolsonaro subiu de 41% para 44%. Já o índice de Haddad oscilou dentro da margem de erro, de 54% para 52%.

EMPATE TÉCNICO ENTRE JOVENS

Entre os mais jovens (16 a 24 anos), o candidato do PT viu suas intenções de voto subirem de 39% para 45%. Enquanto isso, Bolsonaro caiu de 48% para 42%. Com isso, os dois estão tecnicamente empatados nesta faixa de idade, considerando a margem de erro.

Fonte: O Globo