Antecipação

Reprodução

Três candidatos se adiantam nas discussões sobre a escolha do futuro presidente da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac): Nicolau Júnior e Gehlen Diniz, do PP, e Jenilson Leite, do PC do B.

Amigos no poder

Nicolau disse ter posto o nome “à disposição do partido e do governador eleito”, Gladson Cameli, porque, por ser amigo de Gladson, este precisaria “ter uma pessoa de sua confiança para conduzir os trabalhos [na Aleac]”, conforme argumentou Nicolau Júnior.

Humildade

Cunhado de Gladson, Nicolau admitiu que o cargo é disputado até mesmo dentro do PP, mas recomendou que todos tenham a humildade e a lealdade de aceitar o nome daquele que obtiver o consenso de correligionários e dos demais partidos que vão votar na composição da Mesa.

Consenso necessário

“Eu estou conversando com os colegas do partido e da Aleac por entender que o nome do futuro presidente da Casa tem que ser consensual, como aconteceu nas duas eleições do Ney Amorim. A gente tem que ter humildade em relação a isso e admitir aquele que for o mais aceito para que a Assembleia possa atuar mais forte e unida”, disse ainda Nicolau Júnior.

Acordo

Enquanto a decisão sobre o futuro presidente da Aleac segue indefinida, a situação é de aparente entendimento a Câmara de Vereadores, no que diz respeito, também, à escolha do futuro presidente da Casa. O vereador Antônio Morais (PT) deverá assumir o cargo, a ser deixado pelo atual presidente, pastor Manoel Marcus, eleito deputado federal pelo PRB.

Afunilando

A disputa que era travada nos bastidores pela primeira-secretaria acabou em favor da indicação do vereador Railson Correia (Podemos).

Adversários do PT com assento

Segundo vereadores da Frente Popular, há ainda em andamento uma conversa para que a vereadora oposicionista Lene Petecão (PSD) seja a vice-presidente da casa legislativa. A segunda-secretária foi oferecida à vereadora Elzinha Mendonça (PDT).

Fim da pendenga

Reprodução

O diretor-presidente do Instituto Socioeducativo (ISE), Rafael Almeida (PDT), teve o destino selado por decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que manteve o indeferimento de sua candidatura à Assembleia Legislativa, para a qual ele havia sido eleito.

Já era

Na tentativa de reverter o indeferimento feito pelo Tribunal Regional Eleitoral, que fora confirmada pelo ministro Luis Roberto Barroso, em decisão monocrática, Rafael Almeida recorreu da decisão que lhe cassava o registro de candidatura e seu apelo foi negado pelo TSE.

Alegação

Sem ter prestado contas de sua campanha de 2014, ano em que Rafael foi candidato a deputado estadual pelo PSDC, ele alega que foi o partido quem deixou de pagar um escritório de contabilidade para a prestação do serviço.

Votação encerrada

Mesmo tendo alcançado o número de votos que lhe garantiriam uma cadeira na Aleac, o indeferimento do registro de sua candidatura pelo TRE, ratificado pela corte do TSE, colocou um ponto final nas esperanças de Almeida de ser diplomado deputado estadual. A decisão foi votada pelos ministros Rosa Weber, Luís Barroso, Luiz Edson Fachin, Jorge Mussi, Og Fernandes, Admar Gonzaga e Tarcisio Vieira.

Viva o comércio!

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que o Acre fechou o nono mês do ano com saldo positivo na geração de empregos. Foram 258 novos postos de trabalho formal gerados no último mês, com 1.930 admissões e 1.645 desligamentos. O comércio foi o setor que mais contratou, com 238 vagas, seguida do de serviços, com 80 vagas.

Aumento nas vendas

Segundo a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo no Estado do Acre (Fecomércio-AC), as vendas do período de setembro apresentaram crescimento de 7,1% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Expansão

Segundo a Fecomércio-AC, os municípios do Acre com mais de 30 mil habitantes apresentaram o mesmo desempenho nas vendas. Em Rio Branco, o saldo foi de 205 novos empregos; em Cruzeiro do Sul, 51 contratações; em Tarauacá, 19; em Sena Madureira, 15, e em Feijó, 6.