Alegando falta de estrutura, Hospital do Juruá passa a atender apenas urgência

Serviços ambulatoriais foram suspensos na unidade. Associação que gerencia a unidade diz que governo deve cerca de R$ 13 milhões – Foto: Mazinho Rogério/G1

Mais uma vez o Hospital do Juruá passa por uma crise em Cruzeiro do Sul. A Associação Nossa Senhora da Saúde (Anssau), que administra a unidade, informou que apenas casos de urgências e emergência estão sendo atendidos no hospital.

A gestão alega que o governo deixou de repassar os valores de um convênio para pagamento de servidores, manutenção de equipamentos, compra de material e medicamentos.

Em nota, o governo informou que foi feita, ainda na terça-feira (12), a liberação de pagamento para a Associação Nossa Senhora da Saúde referente ao mês de janeiro de 2019. A gestão acredita que os valores deveriam ser depositados ainda ontem (13).

Ao todo, a Anssau diz que o governo deixou de repassar R$ 13 milhões para a unidade. Por conta disso, no hospital os servidores estão com salários em atraso e existem vários equipamentos quebrados por falta de manutenção. Também falta material de consumo e medicamentos para o tratamento dos pacientes.

Sem condições financeiras para manter a unidade, a Anssau decidiu suspender os atendimentos ambulatoriais no Pronto-socorro, as cirurgias eletivas e só está realizando exames para os pacientes internados ou que derem entrada em estado grave.

O G1 procurou a direção do Hospital do Juruá, mas não obteve retorno. O médico Theobaldo Dantas, que representa o Sindicato dos Médicos (Sindmed) na região, disse que a categoria decidiu apoiar a decisão da empresa que gerencia o hospital.

Ele afirma que os serviços na unidade de saúde que atende pacientes de oito municípios do Acre e mais dois do Amazonas, estão comprometidos por falta de condições de trabalho.

“O hospital está falido, quebrado. É o maior hospital da região onde temos um atendimento de mais de 400 mil pessoas. Tudo está quebrado. Estão mandando as pessoas que sofrem acidentes para Rio Branco pagando R$ 27 mil porque o aparelho de tomografia está quebrado. Mandando gente infartada em voo fretado porque não tem o remédio que custa R$ 3,5 mil, não tem um parafuso nem uma broca para fazer cirurgia ortopédica. Inclusive falta até dipirona e, por isso, a gente não está podendo dar uma boa assistência ao povo do Juruá”, denuncia Dantas.

Segundo ele, os médicos estão desde dezembro do ano passado sem receber o pagamento dos serviços prestados para a Anssau. Por conta disso, eles vão manter o posicionamento da entidade de suspender os serviços e só devem normalizar o atendimento depois que o governo acertar as dívidas com a associação para que ela possa investir na estrutura do hospital e pagar os servidores.

Crise financeira

O impasse entre governo e a associação que administra o hospital se arrasta desde o ano passado, quando a gestão ainda estava nas mãos do governador Tião Viana. Em 2018, os médicos paralisaram por 22 dias. O valor que o hospital deixou de receber foi de R$ 13 milhões, o que acarreta em atraso no pagamento dos funcionários da unidade.

Durante a paralisação dos médicos, 80% dos pacientes voltavam sem conseguir uma consulta. A greve só foi suspensa após a Anssau garantir o pagamento dos meses atrasados.

Portal G1/AC