Acre tem redução de 5,5% de casos de acidentes no trabalho entre 2015 e 2017

Por Sara Rodrigues

As empresas acreanas registraram queda de 5,5% no número de casos de acidentes no trabalho, entre 2015 e 2017. Os dados são da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda.

Os números mostram ainda que na última comparação, para cada mil contratos de vínculo empregatício em 2014, foram registrados 12 casos de acidente no trabalho. O número teve redução, já que em 2016, foram registrados nove. Muito disso se deve às empresas que prestam consultoria sobre Saúde e Segurança do Trabalho no estado.

Quem oferece esse serviço para 267 empresas da indústria do Acre é o Serviço Social da Indústria (SESI). A instituição é contratada para analisar os documentos da empresa, regularidade dos programas de saúde e segurança, e oferecer ajuda para garantir melhora no ambiente de trabalho para os empregados.

“Nossos técnicos fazem uma visita às empresas, e de acordo com a necessidade e dependendo da demanda, eles executam as ações no próprio ambiente”, explica Rosemere Azevedo, psicóloga do trabalho e gerente de segurança do trabalho do SESI-AC.

Segundo Azevedo, o trabalho realizado pelos especialistas do SESI é feito “tanto na parte de segurança com os levantamentos das avaliações quantitativas e qualitativas do ambiente de trabalho, quanto na parte de promoção da saúde”.

Em relação à saúde são oferecidas consultas médicas e odontológicas. Além de promover campanhas de vacinação e atividades de ginástica laboral – que é uma série de exercícios físicos que ajudam a prevenir lesões e doenças por esforço repetitivo.

Ao promover essas ações para reduzir as chances de acidentes, Azevedo explica que a empresa também é beneficiada. “O objetivo é diminuir o tempo que esse trabalhador gastaria para ir até uma unidade do SESI para ser consultado. Então a gente vai até a empresa para que esse trabalhador fique menos tempo longe do ambiente de trabalho”, explica.

Em 2016, o SESI realizou uma pesquisa com 500 médias e grandes empresas. A pesquisa mostrou que 48% delas acreditam que ações para aumentar a segurança no ambiente de trabalho e promover a saúde de funcionários podem reduzir as faltas ao serviço. Além disso, 43,6% disseram que esses programas aumentam a produtividade da empresa. 34,8% acreditam que as ações diminuem as despesas.

O consultor na área de Segurança do Trabalho Antônio Carlos Vendrame explica que o investimento na saúde e segurança dos empregados também ajuda a reduzir os valores de taxas pagas das empresas.

“Se o meu desempenho coletivo com outra empresa também for bom, o meu seguro de acidente de trabalho também tende a cair. Então veja que é um universo muito grande de aumento e redução de imposto que eu posso ter”, explica Vendrame.

Acidentes de trabalho no Brasil

A Confederação Nacional da Indústria publicou uma série de propostas com recomendações para os candidatos à Presidência da República. De acordo com a Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda, o setor industrial reduziu o número de acidentes de trabalho.

Os últimos dados da revelam que as atividades como a indústria de transformação, por exemplo, a reduziram os acidentes de trabalho em 41% entre 2007 e 2016. Na indústria extrativista, o recuo foi de 33,6%.

A CNI defende que é necessário discutir o investimento em saúde e segurança do trabalho no Brasil. De acordo com o estudo, a empresa precisa fornecer um serviço médico que possa amparar o trabalhador no caso de perícia médica do INSS. Além disso, ele indica que essa medida aumenta a transparência do processo e auxilia na decisão do perito, gerando uma redução de custos previdenciários.

Agência Rádio Mais